sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

VÍDEO-SITUAÇÕES TÊXTEIS

pela primeira vez no zz, a intensa e inspiradora programação dos vídeo-situações têxteis:


17 JAN – SÁBADO
AUDITÓRIO
14HS – VÍDEO-SITUAÇÕES TÊXTEIS

Visões têxteis contemporâneas I - f. marquespenteado/ Ernesto Neto/ Jarbas Lopes/ Lino Villaventura/ Karen Harley/ Luiz Hermano/ Laura Lima.

Artistas atuantes nas artes visuais brasileiras que processam seus trabalhos em intimidade com suportes têxteis. As pesquisas que serão apresentadas nos vídeos vão desde trabalhos em comunidades por entre oficinas de bordados como no caso de f. marquespenteado e seus projetos em penitenciárias masculinas, ou o trabalho de Jarbas Lopes em suas disputas cívicas e debate sobre a bio-política do corpo, passam pela estética da fibra têxtil que constrói com meros nós espaços monumentais como no caso dos monumentos auto equilibrados de Ernesto Neto, ou maravilhas artesanais como no trabalho de Lino Villaventura, e chegam até as tecnologias do corpo performático, corpo que experimenta apêndices e amarras onde o têxtil é contemporaneamente elemento comunicante e alicerce, como nos trabalhos de Laura Lima




AUDITÓRIO
14HS – VÍDEO-SITUAÇÕES TÊXTEIS

Visões têxteis contemporâneas II - David Littler/ Fiona Kirkwood/ Christopher Pearson/ Hetain Patel/ Miranda Whall/ Linda Florence/ Leora Farber

Artistas internacionais que experimentam o têxtil por entre sua infinita capacidade de significar. Os trabalhos vão desde experimentos vídeo-sensíveis que disputam as noções dos elementos decorativos como é o caso de Christopher Pearson e sua inquietante parábola digital orientada para efeitos decorativos, ao lado dos experimentos de Miranda Whall com suas perturbadoras animações-papéis-de-parede, performances que se apropriam do conteúdo das padronagens universais para dissemina-las em novas plataformas como nos trabalhos de Linda Florence em tablados cobertos de motivos têxteis aplicados com açúcar branco granulado por sobre onde uma valsa tem lugar, ou o trabalho de Hetain Patel em pintura de henna corporal aonde o artista, sobre o seu próprio corpo, recebe e contemporaneamente copia-em-espelho, um padrão que lhe é desconhecido, e chegam aos projetos vivenciais onde as comunidades narram suas vidas e suas fábulas, narrativas entretecidas à história do têxtil, como no caso de David Littler na Inglaterra e o de Fiona Kirkwood na África



19 JAN – SEGUNDA
AUDITÓRIO
14HS – VÍDEO-SITUAÇÕES TÊXTEIS

Eminências têxteis brasileiras: de Lygia Clark a Bispo do Rosário - Lygia Clark/ Letícia Parente/ Ana Maria Maiolino/ Miguel Przewodowski & Helena Martinho da Rocha/ Hugo Denizart/ Kátia Maciel/ Karen Harley

Nesta sessão o têxtil brasileiro se faz histórico: artistas, de eruditos aos mais incomuns, afinam suas obras nas cordas e ressonâncias do universo têxtil.
Vídeos documentais nos aproximam de obras inquietantes (Kátia Maciel revive Hélio Oiticica, Karen Harley edita os diários gravados de Leonilson),
---- ou mesmo nos dão a oportunidade de testemunhar artistas que, em primeira pessoa, narram seus processos e visões (Artur Bispo do Rosário dentro da cobertura inspirada de Hugo Denizart, Ana Maria Maiolino em elegia à sua terra natal e seus diários, Lygia Clark aplicando seu método e seus instrumentos têxtil-sensíveis). Por outro lado, vídeos autorais nos ensinam que a dinâmica da arte contemporânea já se encontrava incrustada desde há décadas, tão bem fica demonstrado na eficaz e inspirada obra em vídeo de Letícia Parente.


20 JAN – TERÇA
AUDITÓRIO
14HS – VÍDEO-SITUAÇÕES TÊXTEIS –

Visões têxteis contemporâneas em performance - Linda Florence/ Laura Lima/ Hetain Patel/ Christine Ellison aka Polly Fibre/ Jarbas Lopes/ Jum Nakao

É nesta fusão inquietante entre o artista, seu corpo e sua fantasia espacial aonde o têxtil recria os territórios os mais inusitados. Os vídeos desta sessão expõem a platéia à leituras do têxtil enquanto movimento: os artistas visitam desde o singelo cotidiano caseiro da costura, como na irreverente leitura da costureira e seus instrumentos na performance de Polly Fiber, até as incessantes migrações poéticas das padronagens entre povos, aonde o têxtil é amálgama cênico (Hetain Patel e Linda Florence)
Os resultados visuais estarão, entretanto, contaminados de tecnologia digital, de sonhos românticos, seguidos de intensos mas muito intensos frenesis (em especial Polly Fiber , Laura Lima e Jum Nakao)


.